Resenhas

quarta-feira, 1 de junho de 2016

[RESENHA] "CONFISSÕES DE UMA GAROTA EXCLUÍDA, MAL-AMADA E (UM POUCO) DRAMÁTICA", DE THALITA REBOUÇAS

Nome: Confissões de Uma Garota Excluída, Mal-Amada e (um pouco) Dramática
Autora: Thalita Rebouças
Editora: Arqueiro
Onde ComprarBuscapé

Livro enviado como cortesia pela Editora Arqueiro.
Tetê acaba de se mudar com a família toda para Copacabana, no Rio de Janeiro, para a casa dos avós. O lindo e espaçoso apartamento da Barra da Tijuca em que morava teve que ser vendido, pois com a crise o pai foi demitido, e o resultado é que a vida dela virou de cabeça para baixo. Além de perder a privacidade, tendo que dividir o espaço com cinco parentes malucos que brigam o tempo todo, ela perdeu todas as suas referências. A única coisa que a deixa feliz é cozinhar. E, claro, comer as delícias que faz.

O lado bom foi se livrar do antigo colégio, no qual sofria bullying por causa de seu jeito peculiar. Sem contar sua desilusão amorosa... O problema é que ela está apavorada, porque agora tudo será novo e estranho, com o ensino médio, com a nova escola, e sem conhecer ninguém. E morre de medo de ser excluída ou de sofrer bullying novamente. Ela está bem mal, para dizer a verdade. Ou talvez seja um pouco de drama, porque já no primeiro dia as coisas parecem ser um pouco diferentes... Pelo jeito, tudo vai mudar, e para melhor.

Tetê se achava muitas coisas: gorda, feia, estranha, e por aí vai. Mas nunca doida. E era simplesmente inacreditável que ela estivesse ouvindo sua própria mãe, antes do café da manhã, falar uma coisa dessas. Sério, sua própria mãe? Se sua mãe te acha maluca, o que esperar do resto da humanidade? O motivo desse diagnóstico tão amoroso era devido a sua personalidade introspectiva. Tetê sempre foi mais quieta, sem muitos amigos (na verdade sem nenhum) e sem muita alegria para viver. Sua mãe achava isso extremamente estranho, e queria a levar no médico para ver o melhor tratamento. Que médico melhor para cuidar de gente doida que um terapeuta? Meio a contra-gosto, Tetê aceita. Afinal, ela realmente tinha motivos para fazer terapia. Qualquer pessoa com um nome tão estranho quanto Teanira (isso, você leu certo, TE-A-NI-RA) precisa urgentemente de ajuda profissional.

Tetê estava passando por períodos de drásticas mudanças em sua vida: mudando de casa, de escola, de realidade. Após seu pai perder o emprego, ela e os pais foram obrigados a deixar o apartamento em um bairro de classe alta do Rio para ir morar com os avós. Era assustador e ao mesmo tempo estimulante toda essa nova vida que se aproximava. Sua família era tão preocupada com o fato de Tetê não ter amigos que até pagar uma menina no prédio para conversar com ela eles pagaram. Ela só esperava que dessa vez conseguisse fazer alguns amigos e ser menos zoada e excluída. E já no primeiro dia de aula, ela conhece as pessoas certas: Davi e Zeca, dois excluídos muito especiais não ligavam nem um pouco para isso.  
"Então resolvi dar uma chance e analisar detalhadamente meu reflexo. Nooossa, eu estava mesmo diferente! O corte mudou bastante meu rosto. Fiquei mais leve, menos escondida.. Minha sobrancelha até apareceu mais. Eu me sentia definitivamente mais feliz. Que loucura.. Como pode ser isso? Um corte de cabelo tem esse poder mesmo, de mudar por fora e por dentro. Eu estava me sentindo mais bonita, sim. E nunca tinha me sentido daquele jeito. Aquilo dava uma confiança que eu nunca imaginei ter. Abri um sorriso com todos os meus dentes à mostra e... chorei. Sim, chorei. Choro até em comercial ruim de detergente, imagina se não choraria ao ver a mudança que fez um corte de cabelo, ainda mais sendo presente de um amigo tão especial como o Zeca."
Ao conhecer seus amigos, ela começa a entender melhor que "felicidade é só questão de ser", e a perceber que enquanto não mudasse sua forma de pensar, ela continuaria sendo a mesma Tetê excluída, mal-amada e dramática. Quando essa metanoia acontece, ela passa a vencer as zoações e a fazer mais amizades, inclusive com os populares. E como toda menina viva no mundo, ela cai de amores pelo cara mais lindo da sala, da escola, da vida - o Erik. Tetê experimenta uma miríade de novas sensações, de novos sentimentos que nem sabia que existiam. Apesar de tudo estar mil maravilhas com os amigos e Erik cada vez mais perto ela também conquista inimigas, como Valentina (namorada de Erick). Sabe aquela menina que ama de ser cruel? Essa era a Valentina, que mira em Tetê para sua mais nova vítima.

Para melhorar tudo, Tetê conhece Dudu, um universitário lindo que também era irmão de Davi. E por mais que ela não fosse expert no assunto, podia jurar que tinha rolado aquela química. Tantas experiências novas, tantas confusões. Será que a nova Tetê conseguirá fazer as escolhas certas? Como resolver toda essa bagunça que viraram seus sentimentos? Erik Ou Dudu? Amizade ou amor? 
" -Você dança bem, hein?
  - Você andou bebendo também, Dudu? - fiz graça
  Nossa, eu estava confiante e piadista!
  - Não! Eu não bebo! Eu só queria dizer que..
  - Foi uma brincadeira, Dudu. Relaxa! O que eu quis dizer é que eu danço supernormal, só um bêbado pra achar que danço bem..
  - Ah... Desculpa... Eu sou meio lento pra captar ironia... - argumentou ele. - Suas mãos estão suadas...
  Droga! Ele tinha notado. Claro que estavam! Pensa que alguma vez na vida um menino pegou na minha mão para dançar numa festa? Era a minha primeira festa!
  - É que meu refrigerante estava num copo bem gelado - tentei justificar.
  - Tudo bem suar. Eu suo muito também. Especialmente na nuca. E você, sua na nuca também?
E então ele rapidamente levou uma das mãos até a minha nuca.. E eu me arrepiei toda. Inteirinha! Da cabeça aos pés! Meu Deus do céu! Brasil, polo norte e China, uma mão masculina estava pousada sobre a minha nuquinha!
  - Não, você sua mais nas mãos, mesmo - diagnosticou ele, olhando no fundo dos meus olhos e deslizando aquela mão de dedos longos e veias incríveis pelo meu pescoço e braço até chegar novamente à minha mão."
Eu realmente não tinha certeza se queria ler esse livro. Não conhecia nenhum trabalho da autora, e imaginei que a obra fosse algo um pouco juvenil demais para mim (como se eu fosse A madura, mas enfim). Eu não esperava uma leitura fluida, com a qual eu me identificasse tanto, e que me surpreendesse. Toda menina que se reconheça através de rótulos como bonita e feia, excluída ou popular, vai gostar. Eu percebi como que as coisas na vida são tão simples, basta mudar sua forma de ver o interior e o exterior, e descobri cinco coisas essenciais para ser feliz: amor, comida, família, amigos e coragem.

Tetê me lembrou de mim com minhas neuras, inseguranças e o amor pela cozinha. Melhor que cozinhar? só comer! (Eu sou a louca da cozinha, adoro real!). Com um amigo muito parecido com o Davi, e uma amiga muito parecida com o Zeca eu me transformei. Engraçado foi o fato de que eu vivi exatamente a mesma coisa que a protagonista. Mudei de escola quando meu pai perdeu o emprego e tive que construir novas amizades (no que nunca fui boa), enquanto lidava com toda a confusão familiar e sentimental. Foi um alívio e um desespero ter que começar tudo de novo. Agora vejo que sem essas mudanças eu seria a mesma Isa baixo astral e mal amada. Hoje eu sou plena sendo eu. Mudanças foram necessárias, mas não deixei minha essência. 
"Depois de tantas emoções, minha alma estava lavada. Naquela terça-feira à tarde, eu só estava livre de qualquer punição da escola e de dar desgosto para a minha família como tinha presenciado cenas que nunca poderia imaginar alguns meses antes. Como as pessoas são diferentes por dentro! Como as aparências enganam! Como a gente coloca uma armadura para não mostrar quem é por dentro..."
É mais ou menos assim: uma casa pode ser linda por dentro, mas toda mal cuidada por fora, ou ter sérios problemas que precisem de manutenção. Essa casa não deixará de ser casa se for reformada. Não há necessidade de demolir, ela só precisa de cuidados e mudanças. Trocar a pintura, mudar os móveis. Parece assustador mas faz muito bem. Espero que tenham entendido a analogia e façam o mesmo. Tirem o velho, limpem tudo, e partiu ser feliz real com sua nova casa. 

Eu ri muito, muito mesmo! Quem já teve seus 15 anos sabe bem como é difícil lidar com tantas situações e sentimentos controversos, desconhecidos e intensos. Muito intensos. Eu entendi que aproveitar ou não essa época especial da vida depende de você. Minha amiga Isabella (meu Zeca versão feminina mato grossense/paranaense/mineira) me fez o favor de mostrar que "a magia e beleza está nos olhos de quem vê". Eu não poderia ter chegado até aqui sem ela. Foi fundamental para mim seu alto astral, amor e sinceridade. Muito carinho e tapas na cara para me acordarem, e não me deixarem virar heroína de novela mexicana. Tem coisa mais cafona que viver como vítima? É tão clichê.  
" Eu mudei totalmente depois disso tudo, sabe? E agora acho que sei lidar de uma maneira totalmente diferente com minha família, com as pessoas ao meu redor, com meus amigos. Como eu amo ter amigos! Também estou entendendo melhor meus sentimentos, principalmente o amor. A gente costuma pôr a culpa das coisas nos outros e em geral espera que os outros mudem, que o mundo mude, mas a verdade que eu descobri é que nada muda. Mas se a gente der um passo, um passinho que seja em direção a fazer algo diferente pela gente mesma e modificar quem a gente é, plim! A mágica acontece e tudo muda ao nosso redor! Na verdade, eu acho que o que muda é nosso jeito de ver tudo."
Aprenda a discernir quem é aquele amigo(a) que vai estar sempre ali por você, mesmo com as dificuldades e obstáculos que a vida impõe. Aquele que te coloca para cima, mesmo parecendo que na verdade está te colocando para baixo. Sinceridade dói na hora, mas mentira (omissão) marca a gente pra vida. Prefira a dor das palavras sinceras que irão gerar coisas boas para você do que o silêncio ou anuência de uma pessoa que não liga para seu bem estar. Amigo que é amigo manda a real e te faz crescer.

Aconchegante, doce, surpreendente e empolgante  são palavras que eu usaria para definir essa obra, que vai fazer muitas meninas mulheres compreenderem que coisas ruins acontecem com todo mundo. Que todo mundo tem suas inseguranças e esquisitices, problemas e desilusões. Até as pessoas que parecem mais confiantes e perfeitas sofrem. Sempre vai ter alguém mais bonito, mais rico ou mais popular. Isso não deve afetar a forma como você se enxerga. Está tudo bem em se sentir mal, em chorar. Mas não faça disso sua vida. Seja feliz independente de tudo isso. Sempre, sempre vai existir um pequeno ponto de felicidade na sua vida, um feixe de luz que pode iluminar tudo. 

O que quero dizer é que depende de você! Faça acontecer e construa sua felicidade baseado no que você gosta, em quem você é! Há um mundo enorme a sua volta. Eu simplesmente amei voltar no tempo e ver que não desejaria mudar nada. Eu precisava "desamadurecer" e esquecer um pouco toda essa seriedade e responsabilidades que a faculdade trás. A todos que precisam relembrar como é bom ser jovem: leitura obrigatória. Espero que leiam, se apaixonem e sintam felicidade plena. Editora: eu te amo demais e é isso. Capa e revisão perfeitos. Autora: desejo que todas as coisas boas que o destino tem pra você se realizem, e que seu alto astral continue impactando. Que você continue escrevendo coisas tão lindas como essa obra. Todo o amor do mundo para você!

Fiz uma playlist (bem humilde) para ouvir com esse livro, quem quiser dar uma olhada clica aqui. Indico verem o filme  "The DUFF" (tem no Netflix!). Tudo a ver com a história, super engraçado e mega fofo!!




Clique aqui e leia um trecho do livro, disponibilizado no site da Arqueiro.


2 comentários:

  1. Já li um livro dessa autora e me senti como uma adolescente. Achei tão fantástico e estimulante a sensação. Esse livro parece que vai me agradar mais ainda. Obrigada pela resenha, ajudou muito Beijus!

    ResponderExcluir