Resenhas

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

[RESENHA] "UMA NOITE PARA SE ENTREGAR", DE TESSA DARE

Nome: Uma Noite Para Se Entregar
Autora: Tessa Dare
Série: Spindle Cove (#01)
Editora: Gutenberg
Onde ComprarBuscapé
Spindle Cove é o destino de certos tipos de jovens mulheres: bem- nascidas, delicadas, tímidas, que não se adaptaram ao casamento ou que se desencantaram com ele, ou então as que se encantaram demais com o homem errado.

Susanna Finch, a linda e extremamente inteligente filha única do Conselheiro Real, Sir Lewis Finch, é a anfitriã da vila. Ela lidera as jovens que lá vivem, defendendo-as com unhas e dentes, pois tem o compromisso de transformá-las em grandes mulheres, descobrindo e desenvolvendo seus talentos. 

O lugar é bastante pacato, até o dia em que chega o tenente-coronel do Exército Britânico, Victor Bramwell. O forte homem viu sua vida despedaçar-se quando uma bala de chumbo atravessou seu joelho enquanto defendia a Inglaterra na guerra contra Napoleão. Como sabe que Sir Lewis Finch é o único que pode devolver seu comando, vai pedir sua ajuda. Porém, em vez disso, ganha um título não solicitado de lorde, um castelo que não queria, e a missão de reunir um grupo de homens da região, equipá-los, armá-los e treiná-los para estabelecer uma milícia respeitável.

Susanna não quer aquele homem invadindo sua tranquila vida, mas Bramwell não está disposto a desistir de conseguir o que deseja. Então os dois se preparam para se enfrentar e iniciar uma intensa batalha! O que ambos não imaginam é que a mesma força que os repele pode se transformar em uma atração incontrolável.

Resenhas | Série “Spindle Cove”


  


O dia estava surpreendentemente indo bem para Susanna. Com a chegada de novas hóspedes à sua amada Spindle Cove, ela não poderia se sentir mais realizada. Sua intenção de transformar uma pequena vila em um tipo refúgio para as moças consideradas casos perdidos pela sociedade estava dando mais que certo, e pela boa fama adquirida ela se encontrava tentando convencer uma matriarca a deixar suas três filhas passarem algum tempo ali. Seu objetivo era criar um lugar onde as moças estivessem seguras, fossem bem tratadas e obtivessem aquilo que realmente precisavam. Claro que conquistar toda essa notoriedade foi algo árduo e que demandou algumas mudanças, que assim que qualquer visitante chegasse perceberia. Primeiro que lá não tinha homens jovens e bonitos que fazem as moças perderem a cabeça e razão. Como as moças estavam ali ou para fugir de escândalos ou para não se tornar um, essa foi a única solução encontrada por Susanna.

Os poucos que ali moravam ou eram trabalhadores ou casados, e tiveram quase toda a masculinidade arrancada de seus corpos ao transformarem aquela vila em um paraíso feminino. E assim que Victor Bramwell chegou lá percebeu isso. Tudo que ele desejava era avançar pela estrada em busca de retomar seu trabalho como capitão de campo. Com a Inglaterra em guerra ele não se conformava em ficar parado. Afastado de seu cargo por ter sido ferido em batalha, seus superiores estavam relutantes em permitir sua volta, pois era cientes de que uma lesão como a dele não se curava. Porém Bram não aceitaria menos, e saiu em busca de encontrar algum superior influente que o ajudasse. 

Enquanto tentava tirar as ovelhas de seu caminho com explosivos, Bram vê uma moça muito perto de um, e corre para salvá-la. E é assim que o caminho de Susanna e Bram se cruza. Mas para a surpresa de ambos, o pai de Victor era grande amigo do pai de Susanna, um homem de prestígio respeitado por toda a Inglaterra e inclusive pelo Ministério de Guerra. Certo de que o Sr. Finch poderia ajudá-lo, Bram segue com Susanna em direção a sua casa. Para ela, as coisas não poderiam estar piores, após todo o barulho de explosões enquanto ela tentava convencer uma senhora de que sua vila era um lugar calmo e pacífico. 

"- Você está bem? - perguntou ela.
 - Estou - A voz dele era rouca e grave. - E você?
  Ela concordou, esperando que ele a liberasse após sua confirmação. Quando ele não demonstrou intenção de se mover, ela ficou intrigada. Ou ele estava gravemente ferido, ou era muito impertinente.
 - Senhor, ahn, o senhor é muito pesado. - Com certeza ele entenderia aquela sugestão.
 - Você é macia. - respondeu ele.
  Bom Deus. Quem era aquele homem? De onde vinha? E porque continuava em cima dela?
  -Você está com um pequeno ferimento - Com dedos trêmulos, ela tocou um ponto vermelho na têmpora dele, perto do cabelo. - Aqui.- Apertou a mão contra a garganta dele, para sentir seu pulso.      Ela logo o encontrou, batendo forte e regularmente contra as pontas enluvadas de seus dedos.
 - Ah.. Isso é gostoso. - O rosto dela ficou quente.
 - Você está com visão dupla?
 - Talvez.. vejo dois lábios, dois olhos, duas bochechas coradas.. milhares de sardas.
  Ela o encarou.
 - Não se preocupe, senhorita. Não é nada. - O olhar dele ficou sombrio devido a alguma intenção misteriosa. - Nada que um beijinho não cure.
 E antes mesmo que ela pudesse recuperar o fôlego, ele pressionou seus lábios contra os dela."
Quando ela descobre que Bram terá que ficar na vila por mais tempo do que uma noite, tudo muda. Apesar da atração forte e inegável que nutria por ele, Susanna pensava em sua vila e que a chegada dele com seu primo e oficial trariam o caos a sua tão amada Spindle. Bram não se conforma de não poder voltar a ser capitão de campo novamente, mas ao receber o título de lorde e a missão de montar uma milícia na cidade, percebe que não pode fugir da tarefa. Mas ele não cederia assim tão fácil, e assim os dois entram em uma disputa de gato e rato, tentando ao máximo se sabotarem. Entretanto, quanto mais tempo passa mais forte a atração fica, e nenhum dos dois consegue resistir. Mas o que acontecerá quando a tarefa de Bram estiver cumprida e ele tiver de ir embora? 
" Susanna nem bem chegou ao alto da escada e ele a envolveu em seus braços. Bram a ergueu, tirando seus pés do chão. Com um movimento rápido ele a carregou até o outro lado da torre e a encostou no parapeito de pedra dura e fria. Às costas de Susanna, o topo da parede ficava exatamente abaixo da omoplata. À sua frente, o calor sólido de Bram e sua força bruta a aprisionavam. E excitavam.. Ela havia chegado ali quase sem fôlego, mas aquilo..? Aquilo era estonteante."
Esse livro foi a melhor surpresa nesse início de ano, e falo sério. Eu li a sinopse e esperava uma história comum, sem nenhum diferencial. Fiquei extremamente surpresa pelo enredo cativante, pela narração intercalada entre os dois personagens e com a doçura da história. Foi a quantidade exata de açúcar no mel de abelha. Bram e Susanna são um casal diferente, mas ao mesmo tempo comum, afinal quem nunca utilizou do desdém ou desprezo para esconder o amor ou atração? Sem nem perceber, o ódio foi se transformando em amor e tudo muda para os dois. Eu já contei muito da história então não vou falar mais. Só digo que amei e pronto. Ver um amor tão puro e profundo se desenvolver do que era antes uma rixa foi lindo e tocante. Faz a gente ter ideias tolas e ilusões de que um dia viveremos esse sentimento tão forte e essencial ao ser humano. Só sei que após ler fiquei cantarolando na cabeça Um Amor Tão Puro do Djavan, como a trouxona sentimental que sou.
" - Calma amor, calma - Ele colou um beijo em sua cabeça. - Não fique tão agitada.
  Susanna segurou a lapela de Bram.
  - E tudo isso poderia ser de algum modo suportável se eu tivesse você. Mas agora você vai embora. Terça- feira. Não sei como vou sobreviver. Eu amo tanto você.
  Só por isso o coração de Bram dançou uma valsa alegre em seu peito.
  Ela o amava.
  Ela havia dito o mesmo dentro de casa. Quatro vezes, se Bram lembrava corretamente, mas com cada respiração ela punha mais alegria em cima de alegria. Naquele momento, ele chafurdava de alegria.
 - Por favor, não vá. - sussurrou ela, agarrando seu casaco. - Não me deixe."
Nunca tinha lido um livro da autora, mas esta conquistou meu respeito e admiração. Ela construiu uma história interessante por si só, sem necessitar recorrer a subterfúgios. Este foi um daqueles livros que você vira a noite lendo, porque está tão cativado que precisa saber qual surpresa a autora te reservou. Até a última página deixei a obra me surpreender e preciso dizer que foi muito gratificante. Li o segundo da série essa manhã e o terceiro já vou começar. Quanto a editora dou meus parabéns, não só por publicarem uma obra de qualidade, diferente e maravilhosa, mas pela revisão impecável. A capa eu realmente não gostei, mas é como eu sempre digo, perfeito só Deus no céu. Espero que goste e continue comigo esta jornada pela série!
" - Eu falei para você - disse ele, com um resmungo baixo e possessivo - Eu quero o que eu quero. E o que eu quero agora, com tanta vontade que mal consigo enxergar, é você. - O beijo dele esmagou sua boca. - Não acredito que foram necessários três bilhetes ridículos para fazer você vir até aqui. Garota teimosa."

2 comentários:

  1. Eu amo livros nesta ambientação, adoro e sou fã, mas nunca tinha lido nada da Gutemberg, agora pretendo começar esta série, espero gostar!

    Já estou seguindo o blog de vocês amei, vocês escrevem muito bem!

    Beijos,
    Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia mesmo, você vai amar!! Muito obrigado pelo elogio, é muito bom saber que estamos agradando :)) beijos

      Excluir