Resenhas

quinta-feira, 17 de março de 2016

[RESENHA] "A DAMA DA MEIA NOITE", DE TESSA DARE

Nome: A Dama da Meia Noite
Autora: Tessa Dare
Série: Spindle Cove (#03)
Editora: Gutenberg
Onde ComprarBuscapé
Pode um amor avassalador apagar as marcas de um passado sombrio?

Após anos lutando por sua vida, a doce professora de piano, Srta. Kate Taylor, encontrou um lar e amizades eternas em Spindle Cove. Mas seu coração nunca parou de buscar desesperadamente a verdade sobre o seu passado. Em seu rosto, uma mancha cor-de-vinho é a única marca que ela possui de seu nascimento. Não há documentos, pistas, e nem ao menos lembranças…

Depois de uma visita desanimadora para sua ex-professora, que se recusa a dizer qualquer coisa para Kate, ela conta apenas com a bondade de um morador de Spindle Cove, o misterioso, frio e brutalmente lindo, Cabo Thorne, para voltar para casa em segurança. Embora Kate inicialmente sinta-se intimidada por sua escolta, uma atração mútua faísca entre os dois durante a viagem. Ao chegar de volta à pensão onde mora, Kate fica surpresa ao encontrar um grupo de aristocratas que afirma ser sua família.

Extremamente desconfiado, Thorne propõe um noivado fictício à Kate, permitindo-lhe ficar ao seu lado para protegê-la e descobrir as reais intenções daquela família. Mas o noivado falso traz à tona sentimentos genuínos, assim como respostas às perguntas de Kate.

Acostumado com combates e campos de batalhas, Thorne se vê na pior guerra que poderia imaginar. Ele guarda um segredo sobre Kate e fará de tudo para protegê-la de qualquer mal que se atreva atravessar seu caminho, seja uma suposta família oportunista… ou até ele mesmo.

Resenhas | Série “Spindle Cove”


  


Kate não sabe dizer qual pecado terrível cometeu para que todo o cosmos estivesse agindo contra ela. Seus esforços em encontrar mais sobre suas origens eram repetidamente frustrados, e ela no momento se perguntava como poderia ter se tornado tão azarada. Apesar de tantas incertezas, Kate se considerava sortuda por ter encontrado em Spindle Cove um lar, com pessoas importantes que a amavam por quem ela era, com sua marca de nascença e tudo, independente de sua origem. 

Spindle foi o lugar onde Kate encontrou boas amigas, como Susanna e Minerva, e onde encontrou segurança para desenvolver seu talento com piano e canto. Lá ela se sente livre, protegida e querida. Mas a curiosidade não a deixava se contentar com isso, e ela decide procurar aonde pudesse mais informações sobre sua infância. E é em uma dessas buscas que não lhe entregavam nenhuma resposta que ela, perdida e triste, é resgatada pelo cabo Thorne.

Samuel era grato por Katie não se lembrar da infância dos dois. Eles cresceram juntos em um bordel, e quando a mãe da Kate morreu, ela ficou completamente desamparada. Thorne então se esforça ao máximo para tirá-la daquele lugar infernal, onde planejavam a tornar uma cortesã, e a leva para um abrigo de órfãos. Após deixá-la em segurança, Thorne decide viver sua vida, sabendo que Kate seria bem cuidada. Seu susto ao chegar em Spindle Cove com Bram e Colin e encontrar com Kate foi superado ao perceber que ela não se lembrava de nada. Sempre tentando protegê-la, Samuel decide não contar a verdade para ela, sabendo que assim ela estaria resguardada de um escândalo.

Apesar de sentir forte atração por Katie, Thorne acredita que não importando a ascendência dela nem onde ela morou quando criança, ela era uma dama. Ciente de não ser bom o suficiente para ela devido aos vários traumas em sua alma, Samuel faz de tudo para afasta-lá de si. Mas com a chegada da família Gramercy na vila, alegando que Katie é parente deles e que desejam publicamente nomeá-la como tal, Thorne decide que deve fazer de tudo para assegurar que ela não seja enganada. Ele fica desconfiado com a intenção da família para com Katie e os dois alegam que estão noivos, para que assim ele possa cuidar dela sem arruinar sua reputação. Claro que toda essa proximidade vai mexer com os sentimentos dos dois e a surpresa vêm para eles quando percebem como gostariam que a mentira se tornasse verdade.

 "Ela se aproximou, pressionando sua têmpora manchada contra a palma fria da mão dele.

-Este é o motivo, não é? - perguntou ela.- O motivo pelo qual você não se interessa. O motivo pelo qual nenhum homem se interessa.
-Srta. Taylor, eu...- Ele cerrou os dentes. - Não. Não é nada disso.
-Então o que é?
Sem resposta... O rosto dela queimava. Ela queria bater no peito dele e abri-lo de algum modo.
-O que é, então? Pelo amor de Deus, o que a meu respeito você acha tão intolerável? Tão malditamente insuportável que não consegue nem mesmo ficar no mesmo ambiente que eu?
Ele murmurou uma imprecação.
-Pare de me provocar. Você não vai gostar da resposta.
-Eu quero ouvi-la mesmo assim.
Ele enfiou a mão no cabelo dela, pegando-a de surpresa. Dedos fortes se fecharam ao redor da nuca de Kate. Os olhos dele vasculharam o rosto dela, e cada nervo ficou tenso no corpo de Kate. O pôr do sol jogou um último lampejo de luz alaranjada entre eles, incendiando o momento.
-É isto.
Pelo braço, ele a puxou para um beijo. E ele a beijou do mesmo modo que fazia tudo. Intensamente, com uma força silenciosa. Seus lábios pressionaram firmemente os dela, exigindo uma resposta.”
Katie entra em conflito interno com a chegada dos Gramercy e com a possibilidade de finalmente ter as respostas que ansiou toda sua vida. Apesar de ser seu maior sonho pertencer a uma família, ela não quer ir embora e se afastar de Thorne, nem do sentimento que estava se manifestando entre os dois. Já Samuel, apesar de desejar Katie quer que ela viva o melhor, e se esse melhor a família Gramercy pode lhe dar, que assim seja. Com a confirmação de que Katie é uma legítima Gramercy, resta a dúvida: o que fazer? Ir para Londres com a família ou continuar em Spindle com Thorne? A situação só fica mais confusa quando Lorde Drewe, o jovem responsável por toda família Gramercy, decide pedir Katie em casamento. Como Katie e Samuel resolverão tudo isso, e será possível a chance de um final feliz para todos? 
“ -Você está duvidando da minha sinceridade? Ou está me proibindo de amá-lo?
   -As duas coisas.
   Ele a encarou com um olhar que era severo, feroz, azul e gelado como o oceano. Tão azul que fez o coração dele cantar. Ela, afinal, descobriu por que carregava aquela lembrança de azul em seu coração. Era ele. Sempre foi ele.
   Thorne cerrou os dentes.
   -Eu não tenho nada para lhe oferecer. Nada.
  -Se isso for verdade, só pode ser porque você já me deu tudo que um homem pode dar. Você me salvou, Samuel. Não apenas dessa vez, mas muitas vezes. Você se pôs na frente de um chicote. Você levou um tiro de melão na cabeça. Você pegou uma víbora com as mãos, seu homem tolo, querido.
   -Eu fiz isso pelo cachorro.
  -Meu cachorro. Que você deixou ficar comigo, embora desse muito valor a ele.- Ela tocou o rosto dele, tentando suavizar sua expressão. - Eu sei que você tem sentimentos. E eu sei que me quer."
Só posso dizer que a autora conquistou minha admiração, e encerrou a série com chave de ouro. Katie e Thorne são um casal que eu quis conhecer desde o primeiro livro, e a história não decepcionou. A editora também está de parabéns, obra perfeita em todos os aspectos, tanto técnicos quanto literários. Seguindo o mesmo modelo de narrativa dos primeiros livros e com o mesmo equilíbrio de estilos, a autora nos fez refletir sobre como a frase "o amor é guerra" é completamente verídica. Não que o amor tenha que se manifestar através da guerra, mas que amar é uma luta diária, que exige de nós força de vontade e certeza de vitória. Digo isso porque Kate precisou acreditar muito no que sentia, na ligação que ela e Samuel desenvolveram, e precisou de uma resiliência sem igual. 

Imagine só, amar alguém que acredita que não mereça ser amado. Eu já pensei muito assim, e percebi que, ao afastar as pessoas por pensar que não as mereço só me trouxe tristeza e solidão. Descobri que a vida é feita de relacionamentos, conexões. Eles podem ser breves mas transformadores, ou duradouros e inférteis. Mas cada um deles nos faz ser quem somos hoje. Não podemos viver sozinhos, é impossível. Samuel compreendeu toda essa complexidade simplória que o amor tem e decidiu se arriscar. Então quero te incentivar a se arriscar também. Todos temos um histórico, coisas que nos feriram, que nos quebraram por dentro. Mas são essas coisas que nos fizeram chegar até aqui, e se você não gosta de onde está, já sabe que é só continuar prosseguindo que alcançará o seu melhor. Não afaste alguém por causa do seu passado. Pegue este alguém, segure na mão dele e diga: me dê o seu fardo do passado, eu te dou o meu, nós jogamos fora o que não necessita ser levado.O que aprendemos guardamos, e vamos assim, com uma folha em branco, juntos seguir para viver o novo. 

Eu estou em busca do meu novo. Tirando fora tudo que me faz sofrer, mas guardando com cuidado cada lição que aprendi. Não vou mentir, você precisa estar pronto para assumir riscos. As coisas ainda não deram certo para mim, mas acredito de todo meu coração que tudo de bom está chegando. E é viver como o poeta diz: "se amanhã não for nada disso, caberá só a mim esquecer. O que eu ganho e o que eu perco, ninguém precisa saber. " Só uma certeza: vou morrer de saudade dessa série!

2 comentários:

  1. Sempre acompanho o blog,mas não tenho mto costume de comentar. Li a resenha e não resisti. Comprei essa série sem expectativa nenhuma, mas fui surpreendida positivamente ao longo dos livros... Esse terceiro então, com certeza entrou para os meus favoritos. O casal tbm me chamou atenção desde o livro 1... e a história deles é mto linda. Adoro livros com mocinhos assim, sérios, sem ser ogros e mocinhas que ainda tem um quê de inocente, mas que vai luta pelo que quer. Parabéns pela resenha que conseguiu captar a sutileza da história e pelo incentivo ao amor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito Obrigada pelo incentivo!! Você fez meu dia, sério!! :)))

      Excluir