Resenhas

sexta-feira, 18 de março de 2016

[RESENHA] "GELO NEGRO", DE BECCA FITZPATRICK

Nome: Gelo Negro
Autora: Becca Fitzpatrick
Editora: Intrínseca
Onde comprar: Buscapé
Britt Pfeiffer passou meses se preparando para uma trilha na Cordilheira Teton, um lugar cercado por natureza e cheio de mistérios. Antes mesmo de chegar à cabana nas montanhas, ela e a melhor amiga, Korbie, enfrentam uma nevasca avassaladora e são obrigadas a abandonar o carro e procurar ajuda.

As duas acabam sendo acolhidas por dois homens atraentes e imaginam que estão em segurança. Os homens, porém, são criminosos foragidos e as fazem reféns. Para sobreviver, Britt precisará enfrentar o frio e a neve para guiar os sequestradores na descida das montanhas.

Durante a arriscada jornada em meio à natureza selvagem, um dos homens se mostra mais romântico do que perigoso, e Britt acaba se deixando envolver. Será que ela pode confiar nele? Sua vida dependerá dessa resposta.


O recesso de primavera chegou e enquanto as amigas de Britt Pfeiffer preferem se divertir na praia, ela tem ideias bem diferentes. As pessoas estão em alerta depois que três garotas foram encontradas mortas nos arredores da cidade, mas Britt ignora o perigo e, contando com a companhia de sua melhor amiga Corbie, faz planos de ir até o Parque Nacional de Grand Teton para se aventurar pelas trilhas locais.

O intuito da viagem é provar a todos, principalmente ao seu ex-namorado Calvin, que também é o irmão de Corbie, que ela é uma garota forte, que consegue se virar sozinha e lidar com situações difíceis. Foram meses de preparação para a viagem, fazendo pequenas caminhadas, estudando guias de sobrevivência e os mapas do local, tudo para estar muito bem prepara para a trilha que ela planejava fazer.

As coisas começam a dar errado quando as garotas são surpreendidas por uma nevasca no meio do caminho. Correndo o risco de congelarem caso fiquem dentro do carro, Britt e Corbie decidem entrar na floresta a procura de abrigo e acabam se deparando com uma cabana onde dois rapazes, Shaun e Mason, também buscaram refúgio. As garotas são enganadas em uma falsa sensação de segurança, só para depois serem aterrorizadas quando os dois homens revelam-se criminosos que se perderam na floresta e ficaram presos pela nevasca enquanto fugiam da polícia.
“Pisquei para afastar as lágrimas, fungando e tentando me recompor. Eu precisava ser esperta. Minha melhor ferramenta agora era meu cérebro. Tinha que aproveitar aquele tempo para avaliar minha situação.”
Com a neve impedindo a circulação pelas estradas principais e consequentemente impedindo a passagem de outras pessoas lê-se policiais, Shaun e Mason, acreditando que Britt conhece muito bem a floresta, forçam-na a guia-los pelo território frio até uma estrada secundária e assim escapar antes que a polícia chegue.

Ajudá-los não garantirá que eles deixem-na viva no final, ainda mais com Shaun parecendo tão desequilibrado – fazendo com que Britt se lembre das garotas assassinadas. Porém, Britt não conhece a floresta como eles imaginam e deixá-los saber disso também poderia significar o fim de sua vida. Agora ela precisa lutar por sua sobrevivência e dar um jeito de fugir antes que sua farsa seja descoberta.

O motivo que me levou a ler "Gelo Negro" é provavelmente o mesmo de muitos outros leitores: "Hush Hush", a famosa série de Becca sobre anjos caídos e nefilins. Eu amo essa história que Becca criou e só por isso eu quis conhecer esse seu novo trabalho, que prometia ser um thriller de tirar o fôlego com mais um mocinho misterioso.
“— Todo mundo precisa de segredos. Eles nos mantêm vulneráveis — disse ele.
— Por que alguém iria querer ser vulnerável?
— Para manter a guarda levantada e, assim, não ficar descuidado.”
A narrativa é um pouco parada inicialmente, mas vai ficando melhor com o passar das páginas. A trama foca a situação em que Britt se encontra, mas há também o mistério por trás das garotas mortas e fica claro que a protagonista acabará envolvida nesse perigo. A história, recheada de momentos tensos, consegue prender a atenção a leitor e deixá-lo curioso a respeito das cenas seguintes, o que torna a leitura bem mais rápida. O desfecho é surpreendente, com uma sequência de cenas de ação que me deixou bastante animada.
“Naquele momento tive certeza que a morte estava à espreita em todos os cantos daquela montanha”
A autora conseguiu transmitir muito bem as características dos personagens, que são bem desenvolvidos e aproveitados na narrativa; não senti como se alguém houvesse sobrando. Insegura e irritante por ficar constantemente pensando sobre Calvin, a protagonista amadurece bastante ao longo do livro e consegue provar sua coragem.

Há pouco espaço para o romance, que envolve Britt e Mason. O personagem masculino é misterioso e com certeza guarda alguns segredos, mas é perceptível que ele não é uma pessoa ruim e sempre tenta proteger Britt de Shaun, que é um cara mais violento e de pavio curto. Ambos acabam se aproximando com todos os problemas que enfrentam juntos, mas todo o lado enigmático de Mason faz com que ela fique em dúvida se pode ou confiar nele.
“Fechei bem os olhos para protegê-los das rajadas de neve. “Ele está mentindo, ele está mentindo.” Eu repetia aquelas palavras para mim mesma, pois sentia minha determinação enfraquecer. Eu estava assustada, desesperada e com frio e, para minha surpresa, realmente queria confiar nele. Queria acreditar que ele me ajudaria.”
A capa do livro é bonita, embora eu prefira a versão norte-americana. A diagramação está ótima, assim como a revisão do livro. Não encontrei erros no texto, que tem uma fonte e tamanho de letra confortáveis para leitura. A Editora Intrínseca realizou um bom trabalho com a edição.

“Gelo Negro” mostrou-se algo completamente diferente do que eu esperava, muito melhor na verdade. O livro cumpre o que promete, sendo um thriller arrebatador que consegue manter o leitor interessado até o fim. Uma leitura que eu recomendo.




Clique aqui para ler um trecho do livro, disponibilizado no site da Intrínseca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário